VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHO NESSA AVENTURA!

Parque Nacional do Itatiaia – RJ

parque_nacional_do_itatiaia_rj

O mais antigo parque nacional brasileiro é um dos preferidos pelos montanhistas mais experientes que desafiam as alturas menos acessíveis da Serra da Mantiqueira. Ao mesmo tempo é um cenário perfeito para quem pretende explorar a natureza em caminhadas mais leves e sem grandes preparativos.

O Parque Nacional do Itatiaia tem uma serie de montanhas, a maioria delas acessível por trilhas que cruzam a parte alta do parque. Já na parte baixa, o visitante passa por trilhas que o levam por belas paisagens, cachoeiras ideais para se refrescar, além dos Três Picos de onde se vê o Vale do Paraíba.

È cobrado ingresso na portaria e a maioria das trilhas devem ser feita com o acompanhamento de um guia.

O que fazer

Pico das Agulhas Negras

parque_nacional_do_itatiaia_pico_das_agulhas_negras

O topo do maciço de 2.791 metros de altura pode ser atingido em três horas de caminhada partindo do Abrigo Rebouças. A caminhada exige algumas técnicas de montanhismo, pois em alguns trechos é necessário o uso de cordas. No final, uma paisagem impressionante: de um lado o Vale do Aiuruoca e o mundo de pedras da região da Mantiqueira, do outro lado o Pico das Prateleiras, que sugere outra caminhada.

Prateleiras

pico_das_prateleiras_itatiaia

Outra grande estrela do Parque é o Pico das Prateleiras com seus 2.540 metros de altitude é um dos preferidos pelos visitantes do parque e muito procurado pelos praticantes de rappel, oferece uma vista fantástica do Vale do Paraíba.

Morro do Couto

pni-morro-do-couto-077

Quem decide subir seus 2.680 metros de altitude é recompensado com uma visão privilegiada de toda a parte alta do Parque. È o mais próximo da portaria, sendo a trilha mais fácil que os demais, um dos únicos passeios em que é permitido ir sem guia, porém é necessário cuidado, pois a trilha é pouco demarcada tendo como referência uma antena no topo de uma pedra próxima ao cume.

Como chegar

Como chegar no Parque Naciona do Itatiaia – Parte Alta

Quem vem pela Rodovia Presidente Dutra (BR-116) na altura do km 330, em Engenheiro Passos, pega-se a estrada Rio Caxambú (BR-354). São mais 26 km até o km zero, onde você devera virar a direita.
Para quem vem de Minas passando Itamonte, atente-se ao km zero, onde você devera virar a esquerda.
A partir do KM 0 são mais 13 Km por uma estrada de terra, com muitas pedras e buracos, até a portaria do parque.

Como chegar no Parque Naciona do Itatiaia – Parte Baixa

No km 316, em Itatiaia. Da Dutra até a portaria principal do Parque são 6 km.

Partindo de São Paulo pela Rod. Pres. Dutra são aprox. 310 km – 4 horas de viagem

Exibir mapa ampliado

Opções

Guia para o Parque Naciona do Itatiaia – Parte Alta

Para aproveitar melhor seu passeio pelo Parque Naciona do Itatiaia e não correr o risco de se perder na trilha, o melhor a fazer é contratar os serviços de um guia local, alguém que tenha experiência e conheça bem a região.

O guia Levy, além de ser muito gente boa, conhece o Parque Nacional do Itatiaia como a palma da mão.

Antes de visitar o Parque entre em contato com o guia Levy pelo telefone: (24) 3352-6097 / (24) 8812-0006 ou mande e-mail para: levy.ecologico@hotmail.com.
Para saber mais sobre Levy, visite seu site: www.levyecologico.com.br

Videos

Confira como foi a Subida ao Pico das Agulhas Negras no Parque Nacional do Itatiaia

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=iXpSICBdSXM&feature=channel[/youtube]

Acesse para assistir mais vídeos.

Dicas

Se você é daqueles que prefere acampar ao invés de ficar em pousadas, uma boa opção é reservar o Abrigo Rebolsas que fica dentro do parque. A reserva deve ser feita com antecedencia principalmente nas épocas de alta temporada. Veja mais detalhes no site:
https://sites.google.com/a/abrigoreboucas.com.br/reserva/sobre-o-abrigo-reboucas

Outra opção bastante interessante é o Hostel Picus, em Itamonte-MG. São 20km do hostel até a portaria do parque, sendo 13km em estrada de terra (da BR-354 até a portaria) e 7km de asfalto (a partir do km zero da BR-354 sentido Itamonte). O Hostel Picus oferece área de camping, quartos coletivos e individuais. O responsável pelo hostel é o Felipe, o cara é guia e conhece como ninguém toda a região. Além de se hospedar em um lugar muito bacana ainda pode aproveitar e conhecer um pouco da belíssima cidade de Itamonte. Vale a pena conferir.
Veja mais detalhes no site:
www.picus.com.br

Veja a previsão do tempo:

Sua história

Se você já visitou esta cidade e gostaria de compartilhar sua experiência é só nos enviar sua história contando como foi, o que mais gostou e dicas do que a de melhor na região.

OBS: seu texto será postado dentro de 1 ou 2 dias e aquele que possuir termos ofensivos como palavrões, por exemplo, serão excluidos.

Nome *

E-mail *

Lugar(es) que visitou *

Enviar foto

Sua história *

Experiência Compartilhada

Parque Nacional do Itatiaia na parte alta

Experiência Compartilhada por: @rodrigoduke
Postado em 05 Agosto de 2010

Olá amigos,

Parque Nacional Itatiaia Sei que cada parque tem características principais e seus atrativos. Mas o Parque Nacional do Itatiaia é uma mistura de água, picos e mata. Mas infelizmente vou ser um pouco injusto com as lindas cachoeiras e piscinas naturais pra falar somente dos picos. Pois, certamente, se tivesse um dia somente para conhecer o parque iria pra parte de cima, subir o pico das Agulhas Negras.

Segue alguns pontos que observei nesta viagem e gostaria de compartilhar:
– Equipamento de escalada (Cordas e etc) é fundamental. Mas só isso não basta, pois no pico existem várias vias de escalada e saber por qual deve ir é papel do guia ou de um líder que tenha pesquisado o croqui corretamente. Se você é como eu e gosta de aventurar solitárias, lamento! Contrate um guia!

-Fui para o parque querendo acampar no alsene, camping mais próximo ao Posto Marcão (entrada do parque), mas estava interditado por questões ambientais. Tive que descer alguns KMs e entrar em outra estradinha até a pousada dos Lobos. Lá toda hora chega gente que desceu do Alsene, consegui um o último quarto por questões de minutos. Então, reserve. Sauna, café e janta, quartos aquecidos, lareira e etc. Pra quem queria camping não fiquei satisfeito com o luxo. =)

– Se possível fique hospedado no Abrigo Rebouças. Fica dentro do parque (quase no pé do pico), um lugar usado por biólogo, militares e qualquer um que faça sua reserva na administração do parque. Vale a pena demais. Se soubesse teria ficado lá! Cozinha, camas e etc.

– Consegue imaginar uma estrada de terra horrível? Beleza, é a da porta do Parque (Posto Marcão), até o abrigo Rebouças (pé do pico). Se é preguiçoso, tiver cansado, tiver carro alto e grana sobrando vá de carro. Fora isso é o mesmo tempo que se for caminhando.
– Não que seja longe, mas se puder abasteça um pouco antes de ir pro parque. Posto mais próximo da porta do parque fica a cerca de 25km em Itamonte (fora da rota de muita gente). Caso contrário vai ser uma preocupação desnecessária.

– Tente sempre conhecer um parque na totalidade. Então, não deixe de conhecer a parte de baixo do parque. Piscina da maromba é linda, Véu da noiva é histórica e a fauna de lá é absurda. Uma voltinha rápida vimos quati, macaco-prego e muitas aves. Cerca de 3 horas conhece tudo fácil!

– O cuidado que a administração do parque tem com a parte de baixo é muito bom. O inverso ocorre com da parte de cima do parque.

– Ao lado do topo do pico das Agulhas Negras, tem um outro pico mais alto onde possui uma caixa de ferro acorrentada. Nesta caixa tem um livro de registro. Se tiver com equipamento adequado e bons escaladores. Vale a pena.

– Segundo o projeto Pontos Culminantes do Brasil do IBGE, certamente o Agulhas Negras é um dos 7 mais altos. Mas minha surpresa foi ver e saber que o da pico da Serra Fina (também um dos 7) fica ali perto. Então, se puder, dê um pulo lá!

– Particularmente, subir o pico por subir não faz sentido. Portanto, independente de quem estiver com você e onde estiver: Contemple, observe, respire, medite, reze/ore. Fique sozinho um tempo. Isso faz com que tenha mais coragem para enfrentar novamente cotidiana selva de pedra e faz tudo valer a pena.

Abraço aos guerreiros da montanha!